COMO EVITAR BRIGAS E SUPOSIÇÕES NOS NOSSOS RELACIONAMENTOS

Todo mundo se relaciona de alguma forma, seja com companheiros, amigos ou familiares. E inevitavelmente, todo mundo briga em algum momento por algo que depois percebemos que muitas vezes não fazia o menor sentido. Por isso, hoje vou mostrar uma mistura de técnica que li em um livro e experiência pessoal para evitar justamente esses conflitos.

BRENÉ BROWN E A TENTATIVA DE RASCUNHO INICIAL

Já indiquei um livro da Brené Brown aqui outras vezes (A Coragem de Ser Imperfeito), mas hoje a ideia foi tirada do "Mais Forte do Que Nunca". Nesse livro a autora aborda também a vulnerabilidade, inclusive mostrando situações que ela passou, mas o foco é como superar as derrotas da vida e seguir em frente. Fala sobre padrões emocionais, personalidade e hábitos. 

Em uma determinada parte, ela insere um termo chamado TRI (tentativa de rascunho inicial). É basicamente você escrever sobre o que sentiu na hora do conflito, analisar e depois ver se condiz com a realidade, conversando com quem estava envolvido. Misturei um pouco do que ela ensina com a maneira que funciona pra mim  e vou mostrar pra vocês. 

Vou dar um exemplo que aconteceu comigo e com o João algumas vezes no Rio de Janeiro. Ele demonstrava desinteresse quando saíamos, quase não conversava, dormia cedo e parecia não ligar para o nosso relacionamento como antes. Com isso, eu vivia triste e magoada e acabamos brigando.

1º PASSO DA TRI: ESCREVER

Para aplicar a TRI, a gente pega um papel (ou pode ser no computador mesmo) e escreve tudo que está sentindo sobre a situação. 

Por exemplo: eu pensava que o problema era comigo, que ele não me amava mais, que ia me largar, que não me achava mais legal e interessante, que ia sumir pelo mundo e me deixar para trás, que estava até (sim, considerei isso) já conhecendo alguém. Isso faz parte da situação, mas é a MINHA percepção do que estava acontecendo. Ficaria algo mais ou menos assim, dependendo da minha raiva na hora:

"O João é muito frio, indiferente. Ele não da valor para nada do que eu faço! Nem gosta de sair mais comigo. Deve estar conhecendo alguém mais legal do que eu, mais bonita, mais inteligente. Vai me largar a qualquer momento, só não tem coragem. Deve estar me odiando, mas não sabe como fazer. Blablabla..." 

Escreve sem medo de ser julgado. É só um rascunho das suas emoções e ninguém vai ver, só você. Coloca tudo pra fora.

2º PASSO DA TRI: ANALISAR

Depois de escrever sobre seu turbilhão de sentimentos, xingar até o cachorro da pessoa e reclamar de como a vida é injusta, vamos analisar 3 coisas.

A SITUAÇÃO

Geralmente quando a gente lê ou até mesmo pensa sobre o problema depois de um tempo, vê que não era tão grandioso assim, mas tudo bem. O que precisamos aprender sobre? Será que foi o local? (Muitas brigas acontecem por estarmos inseridos em locais que despertam gatilhos emocionais, por exemplo) Será que foram as pessoas ao redor que influenciaram? Será que foi em um momento delicado do dia? Perguntas, perguntas e mais perguntas.

AS PESSOAS

Aqui a gente analisa o lado do outro. Será que o João não está passando por alguma situação interna? Será que ele realmente não se importa? Será que ele quer falar algo e não falou por algum motivo específico? São mais perguntas, nesse caso sobre a outra pessoa envolvida. Vale até anotar para conversar depois, porque vai ser útil.

EU MESMO

Eis a questão. Será que o problema não sou eu que estou criando por padrões emocionais? Será que já passei por algo parecido antes e isso fez com que eu me sentisse insegura? Aqui é bom a gente reler nosso rascunho e ver as emoções que sentimos quando escrevemos. Por que eu fiquei com raiva? Talvez por ter me sentido deixada de lado, que tem a ver com meu medo de abandono. Por que eu fiquei insegura? Talvez por já ter colocado na minha mente desde nova que nunca iriam me amar do jeito que eu sou e que sempre tem alguém melhor por aí. 

Essa parte é a minha favorita porque podemos aprender MUITO sobre as nossas emoções.

3º PASSO DA TRI: O QUE SABEMOS DE VERDADE E O QUE ESTAMOS SUPONDO?

O que no nosso rascunho é de fato REAL e o que a gente supõe que seja? No meu exemplo eu tinha criado algo como "o João é frio, não demonstra sentimentos e está indiferente ao nosso relacionamento porque já deve ter conhecido alguém melhor", quando na verdade isso é só o que eu estava supondo. Em momento nenhum ele disse que não liga para mim, que conheceu alguém ou que queria terminar. Deu pra perceber que criei justificativas de acordo com o que eu tinha na mente?

4º PASSO DA TRI: DELTA

Aqui vamos fazer a diferença entre a nossa TRI e a realidade. 

Mas como?

Simples. Conversando. Lembra das perguntas que nos fizemos no 2º passo? Elas entram aqui. Agora que estamos mais calmos, podemos chamar a pessoa para conversar, expor nossos sentimentos com relação a situação e entender o lado do outro também. Vale fazer questionamentos sobre os motivos da pessoa ter agido daquela forma e explicar porque também reagimos da nossa maneira. 

No final da conversa podemos perceber que na maioria das situações, foram coisas internas que causaram aquela briga/discussão/conflito ou que era algo que não tinha NADA a ver com o que criamos. No nosso caso por exemplo, tinha a ver com insatisfação do João no trabalho, estresse, minha insegurança e ansiedade. Não era indiferença, falta de amor ou uma terceira pessoa.

POR QUE ISSO É BOM?

Porque assim a gente evita aquela coisa chata de apontar o dedo pro outro, os famosos "você sempre" e "você nunca", entendemos melhor nossos sentimentos e os do outro e conseguimos conversar de forma mais calma, além de chegar no foco real do problema. Quando a gente só sai falando, geralmente é um desastre e ninguém chega em uma conclusão real, nem aprende mais sobre os envolvidos.

Isso vale não só para casamento ou namoro. Vale para amizade e relacionamentos com familiares também. Parece mais fácil falar do que fazer e confesso que nem sempre consigo! Mas prometo que vale a pena o esforço de contar até 10, escrever, analisar e depois sim conversar e resolver. 

Uma observação: "ah Fê, mas e se a pessoa não está disposta a falar sobre os sentimentos dela ou ser vulnerável a ponto de se abrir?'. Isso acontece muito e inclusive aconteceu por aqui também! Nem todo mundo tem facilidade para deixar esse lado sentimental e pessoal aparecer. O João mesmo não tem. Mas é aos pouquinhos que a gente muda e vê que guardar o que sentimos não faz bem nem para nós e nem para quem nos ama, porque dificulta tudo. Minha dica é conversar sobre isso também, explicando que para evitar brigas e discussões, a pessoa precisa expor o lado dela com sinceridade. 

Nem sempre vai funcionar, vale dizer! Isso vai variar de pessoa pra pessoa e de relação pra relação. De qualquer forma, só de colocar nossos sentimentos em um papel, NÓS MESMOS já tiramos um peso das costas. 

Um beijo!

9 comentários

  1. Esses passos a se seguir são ótimos, de certa forma eu também faço isso, mas, ao invés de escrever e fazer um rascunho dos meus sentimentos, eu paro e penso comigo mesma, espero a raiva largar o meu ser e reflito sobre a situação de forma mais calma. Eu escrevia muito quando tinha um diário, e confesso que escrever realmente é de ajuda.
    Eu acho que o quarto passo da TRI é o mais importante, conversar é a parte mais importante para se evitar brigas e chegar em um acordo.
    Amei o post! Beijo, Blog Apenas Leite e Pimenta ♥

    ResponderExcluir
  2. Nossa que interessante nunca parei pra pensar nisso.
    São ótimos passos.
    Eu não consigo escrever nada só sei sentir e se eu guardar por muito tempo eu choro, seja de raiva, de frustração ou por não conseguir falar.
    Por isso geralmente eu falo da forma mais calma possível sobre o assunto com a pessoa, o problema é quando o outro lado não quer ouvir ou é estressado. rs
    Beijos!
    http://www.pamlepletier.com/

    ResponderExcluir
  3. Amazing post, dear! A big hello from Germany!
    Hugs ♥
    LIANA LAURIE | My new video

    ResponderExcluir
  4. bem interessante mesmo seguir esse passo a passo pra entender o que está se passando e oq está sentindo, e nao tem jeito oq faz a diferença mesmo nesse caso é se comunicar, sempre é preciso conversar

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
  5. Cara, eu amei esse post. Realmente irei usar isso na minha vida, porque todas as outras formas que tentei acabaram por falhar miseravelmente.

    Carol Justo | Pink is not Rose

    ResponderExcluir
  6. Gostei do seu conselho, no momento estou solteira, mas fica a dica.
    Big Beijos,
    Lulu on the sky

    ResponderExcluir
  7. Que post ótimo, concordo demais com essas dicas.. vai ajudar muita gente..


    Beijo
    ;)
    Blog| Instagram| Canal no Youtube|


    ResponderExcluir
  8. Não conhecia o livro, mas parece bem interessante! Adorei as dicas, agora só preciso colocá-las em prática!

    Beijo!
    Cores do Vício

    ResponderExcluir
  9. Qualquer relação humana é complicada né?
    E todo mundo está sujeito a brigas e discussões, faz parte...
    Mas sempre tem como evitar e agir de maneira diferente.
    Bem legal esse livro e as dicas, gostei!!

    https://heyimwiththeband.blogspot.com/

    ResponderExcluir

TOPO