Tecnologia do Blogger.

TESTANDO: BB CREAM E BLENDING FACIAL SIMPLE ORGANIC


Oi pessoal, tudo bom? Outro dia fiz um post com uma listinha de produtos veganos que eu queria muito comprar e hoje vou falar sobre os da Simple Organic que já chegaram por aqui. 

Inicialmente o que me chamou atenção além da proposta da marca (orgânica e vegana), claro, foi a embalagem dos produtos. Tudo muito minimalista e lindo, do jeito que eu gosto. Muito amor. 

Eu escolhi 3 produtos no site. Uma necessaire (essa preta da foto), o blending facial e o bb cream. Com o frete aqui pro Rio, deu R$288,44, bem carinho, mas valeu a pena e vou contar pra vocês o motivo! 

Primeiro quero falar sobre o cuidado que a empresa tem com a entrega dos produtos. Tudo chegou aqui muito bem embalado em uma caixa, com papel envolvendo os produtos. O bb cream e o blending vieram dentro desse saquinho cru (lindo) e também colocaram esses adesivos de brinde. Amei demais! Ah e foi bem rápido, viu? Acho que chegou em menos de 1 semana. 

Agora vamos para o que achei de cada coisa. A necessaire foi um item dispensável, ok. Mas eu queria muito porque ela é preta, simples e achei legal esse "organic beauty inside" nela. Custou R$40,00, o que pode parecer caro para uma bolsinha, mas achei que valeu bastante porque cabe muita coisa. 

O bb cream eu tenho alguns pontos positivos e negativos. A minha cor é a Light (que é a mais clara, mas ainda assim ficou um pouquinho escura pra mim) e isso é um lado negativo do produto. No site eles só tem 3 opções de cor, o que dificulta para acertar. Entretanto, o que achei bem legal é que quando você aperta pro produto sair, ele parece um hidratante. É uma mistura de branco com o tom e conforme você vai passando, aí sim consegue ver o efeito na pele.

Sobre a textura, ele parece um bb cream normal, mas sinto um pouco de dificuldade para espalhar, parece que se demorar muito, vai ficar acumulado, sabe? Também sinto a pele um pouco oleosa logo depois de passar, mas com um pouquinho de pó por cima, achei que ficou com um acabamento muito bom. Achei que o efeito é bem leve, não cobre tudo. Então se você quer muita cobertura, não acho que seja a melhor opção. Como eu prefiro uma coisa mais natural, gostei bastante do efeito. Ah e o cheirinho é muito delícia! R$129,00.

E por último, temos o famoso blending facial. Não é famoso a toa né? Ele é realmente incrível. Tenho usado todas as noites antes de dormir e a pele acorda tão macia e hidratada que da vontade de ficar passando a mão, sabe? A indicação é passar pela manhã também, mas confesso que esqueço de vez em quando. Esse blending é mais indicado para peles secas, mas a minha é mista/oleosa e não vi problema algum, pelo contrário. Mas talvez até seja melhor eu realmente só usar 1x por dia, por conta disso. :) O único ponto negativo sobre esse produto (pra mim) foi o cheiro. Não achei muito agradável, mas logo some, então tudo bem. Custou R$75,00.

-

No geral eu achei que valeu a pena, porque eu estava dooooida para testar cosméticos naturais assim e foi uma experiência muito positiva. Acho que nada melhor do que saber o está indo para a sua pele e ter certeza de que aquele produto foi feito com amor, sem crueldade e da forma mais natural possível. O meio ambiente, os animais e a sua saúde agradecem! Super indico que vocês testem pelo menos 1 produto da marca e depois contem o que acharam.

Ah e já falamos também sobre um shampoo natural da Fefa Pimenta por aqui, caso queiram dar uma olhada. :)

Um super beijo!

BUSCANDO A FELICIDADE

Acho que talvez alguns de vocês estejam se perguntando o que vai acontecer com o blog depois que eu e a Fê nos separamos. Na vedade, acho que nós também. Mas esses dias tem sido dias de reflexão profunda e eu percebo que algumas coisas simples, como escrever aqui de vez em quando são coisas que me fazem bem. Pequenos detalhes que fazem a diferença, que nos conectam e nos marcam profundamente. Detalhes que nos fazem felizes. E aí vem a pergunta que mais grudou na minha cabeça: afinal de contas, o que é felicidade?

Lembro quando era criança e ia ao shopping com meus pais. Achava super legal pegar o carro e sair nas lojas, podendo comprar o que quiser quando der vontade (se eu soubesse naquela época que ser adulto está longe disso talvez não ficasse tão ansioso para crescer hahahahahaha). Achava que isso dava uma liberdade imensa, e por isso não conseguia esperar para poder ser adulto e ter a vida que eu sempre quis.

Depois disso, conforme ia crescendo, ser adolescente parecia ser a coisa mais legal do mundo. O pessoal mais velho parecia tão mais...adulto. Era como se eles fossem tão importantes. Aí a adolescencia chega e vem os altos e baixos da puberdade. Dúvidas sobre o futuro, sobre os amigos, sobre namoradas(os), sobre se a vida ainda vai ser assim quando eu crescesse. Aí vem aquela primeira olhada pra trás e o pensamento "eu era feliz e não sabia". Mas não dá pra voltar, e eu sabia que, com certeza, as coisas seriam melhores quando eu saísse de casa e fosse pra faculdade.

E a faculdade chega. Fui o último excedente da minha lista de chamada para a minha universidade. Entrei no meio do período, no meio de um monte de gente que já tinha começado a formar amizades e passado pelas famosas calouradas. A matéria tava acumulada e as provas viriam dali a algumas semanas. Mas eu sobrevivi. Fiz meus amigos, passei nas minhas provas, e suei muito durante seis duros anos lá. E sempre vindo à mente aquelas memórias da adolescência, quando minha pior preocupação era o que eu teria pra fazer de tarde. "Poxa, eu era feliz e não sabia". Pois é, mas já estava no final. E com certeza, com TODA a certeza, as coisas melhorariam quando eu me formasse e arrumasse um emprego. 

E veio a crise. Colegas se formando e ficando anos sem achar oportunidades me deixavam com um medo inevitável do futuro. Mas eu consegui meu estágio, primeiramente em uma área corporativa que não tinha nada a ver com a minha, mas consegui logo trocar para um na minha área e perto de minha família. Depois do estágio fui contratado, e com isso veio minha vida independente. E de novo, "eu era feliz e não sabia". Era tão mais fácil quando meu pior problema era a prova da semana que vem. As contas chegam e eu percebi uma coisa: meu emprego estava LONGE de ser o emprego dos meus sonhos. Mas se eu me empenhasse, se eu me dedicasse ao máximo e focasse em arrumar aquela vida que eu sempre quis, eu com certeza, com toda a certeza, conseguiria. E passei esse último ano buscando cursos (alguns, como programação, só de hobby mesmo), pensando em fazer pós, intercâmbios e processos trainees. Sempre pensando no futuro. Sempre deixando o presente passar. E sempre deixando de lado coisas (e principalmente pessoas) que fossem realmente importantes para mim.

E aí vocês me perguntam: "e o que tem a ver isso tudo com felicidade, Jão?". Bom, acho que pensando em tudo o que eu passei, e tudo o que já disse para vocês aqui no blog, a resposta era algo que eu já devia ter percebido: felicidade é o agora. Há alguns dias a Fê me disse uma coisa muito importante. "Eu não estou feliz, eu sou feliz". Felicidade não é um presente que a gente se dá no futuro. É um estado que sentimos agora. É ver o nascer do sol, é dizer "eu te amo", é ligar para os pais depois de algum tempo sem se falar. Felicidade é algo que somos. Claro que muitas vezes nos encontramos em um estado infeliz no momento, mas momentos são, por definição, passageiros. E cabe a nós garantir que os próximos sejam felizes. 

Felicidade é saber entender o que queremos de nosso futuro, é pensar lá na frente e traçar nossas metas mas seguir, acima de tudo, apreciando cada passo ao longo do caminho. É viver cada dia que passa, não cada dia que está por vir. Talvez o futuro ideal nunca chegue. Mas se você aprender a ser feliz no presente, talvez o futuro seja muito melhor. Cabe a vocês decidirem.

Para todos aqueles que ainda estão aqui nessa leitura, convido a assistirem o seguinte vídeo do professo Clóvis de Barros: Felicidade é aqui e agora. Talvez ele ilustre um pouco melhor o que quero dizer.

Então pessoal, o que acharam? Querem continuar ouvindo um pouco mais de nós? Digam aí o que acham!

Jão

TRANSFORMAÇÕES E APRENDIZADOS - MUDANDO UM POUCO A CADA DIA

Acho que se vocês já leram o último post da Fê, já devem ter uma idéia do porque estou aqui hoje. Vim trazer para vocês um pouco sobre os meus aprendizados nessa jornada e tudo o que melhorei em mim durante esse tempo que passamos juntos.

Talvez alguns já tenham percebido pelos meus posts que eu sou em muitos aspectos quase que oposto à Fê. Ao invés daquela espontaneidade de querer fazer algo novo a cada dia, sempre fui um cara metódico, que gosta de planejar e seguir o planejamento, a ponto de às vezes ficar de mal humor quando estou fazendo algo imprevisto ao invés do planejado (desculpa se fui chato as vezes Fê hahahaha). Não acho isso uma coisa de todo ruim, mas definitivamente pode ser limitante. Quantas oportunidades vocês acham que eu já perdi por não saber o que me espera à frente? Quantas vezes pude fazer algo novo, mas optei por ficar no mesmo lugar por medo e insegurança? Na verdade nem eu sei a resposta.

Mas aí há quem pergunte? "Como vocês deram certo durante esse tempo todo então?". Aprendendo um pouco a cada dia. Acho que o meu maior aprendizado nesse tempo todo é que nós precisamos estar todo dia nos reinventando e assimilando novas coisas para podermos crescer pessoalmente. Como um cara que sempre esteve acostumado a ser sozinho e mais individualista, foi uma coisa incrível ter compartilhado o último ano com alguém que me ensinou que há mais coisas nesse mundo do que imaginamos. Aprendi a amar, respeitar e me preocupar com o próximo de uma forma que não sabia antes, e acho que todos os dias aprendo um pouco mais.

Sem dúvida, o que a Fê falou no post anterior é essencial. Não deixe seus medos te segurarem. Ame mais, pense mais, faça mais e se esforce, não perca tempo se perguntando "e se?" todas as vezes e deixando as oportunidades passarem. Saibam que não estão sozinhos, tem sempre alguém com quem contar, e, acima de tudo, valorizem essas pessoas. Não sejam daqueles que dão valor apenas ao que perderam. Digam mais "eu te amo", perguntem mais como a pessoa está, se importe com aqueles ao seu redor e percebam que a vida não é só acordar, trabalhar e dormir. E nunca deixem que o julgamento alheio lhes impeçam de fazer o que querem.

Fê, eu sei que nunca fui uma pessoa perfeita, mas sempre valorizei muito o que tivemos. Também cresci muito mais do que consigo descrever ao seu lado e nunca vou me esquecer disso. Não sei o que o futuro nos guarda, mas espero que nossos caminhos estejam sempre juntos.

Um grande beijo a todos!
Jão
TOPO