Tecnologia do Blogger.

TRÊS MUDANÇAS SUSTENTÁVEIS, FÁCEIS E ECONÔMICAS PARA O DIA A DIA


Eu e o Jão temos procurado alternativas mais sustentáveis, que não agridam (ou o menos possível) o meio ambiente e uma coisa que geralmente as pessoas pensam é que vai sair caro ou que não vale a pena. Hoje eu venho aqui mostrar 3 mudanças MUITO simples e que vão fazer você economizar, além de ajudar a gerar menos lixo e deixar menos plástico pelo mundo. YAY!

TROCAR A ESPONJA DA COZINHA E O DETERGENTE POR BUCHA VEGETAL E SABÃO DE COCO

Com R$7 reais a gente compra aproximadamente 1m de bucha vegetal e isso dura uns bons meses. Por aqui a gente corta em pedaços pequenos e vai trocando conforme necessário. A bucha não agride panelas, pode ir para uma composteira (é algo que pretendemos fazer ainda esse ano) e se você tiver sorte, pode comprar com sementes e plantar! Estou muito feliz que encontrei na minha, então vou tentar plantar já! O sabão de coco que a gente comprou veio em embalagem plástica (ble) e infelizmente utiliza sebo animal, o que sou contra, mas vamos continuar usando até acabar. De qualquer forma, muito menos plástico (só veio o que embalava as barras) e mais durabilidade (tem meses que compramos nosso pacotinho). 

REUTILIZAR POTES DE VIDRO E LATAS

Sabe quando você compra azeitonas, geléia, mel ou qualquer coisa que venha em potes de vidro e não sabe o que fazer com eles depois? A gente lava, tira os rótulos e coloca novos alimentos ali dentro, como linhaça, cacau, temperos ou simplesmente usamos para guardar coisas na geladeira. E as latinhas ficam ótimas para guardar lápis, por exemplo. Fiz um DIY muito simples no Instagram, que você pode conferir clicando aqui

UTILIZAR ECOBAGS PARA FAZER COMPRAS

A gente costuma fazer compras em um mercado que vende atacado e lá eles não dão sacolas, a não ser que você compre. Super apoio. Hehe Temos duas ecobags de tamanhos diferentes que cabem tudo que a gente precisa e não, não fica nada amassado. Com o tempo você consegue organizar da forma que funciona melhor pro seu dia a dia e juro que não tem mistério, é bem prático. Ah e não precisa ser só pro mercado, tá? Recusar sacolinhas minúsculas em farmácias ou quando comprar algo pequeno já ajuda muito. :) Se cabe na sua bolsa/bolso/mochila, não tem porque aceitar.

-

Estamos muito empolgados para tentar fazer novamente essa receita da Cristal de sabão líquido (a primeira vez que a gente tentou não deu certo, mas não vamos desistir!) e adaptar cada vez mais coisas na nossa rotina. Vocês costumam fazer algo para ajudar o meio ambiente? Já fazem alguma dessas coisas? Falem nos comentários! Um beijo!

CINCO DICAS PARA SE SENTIR MAIS POSITIVO

Sempre fui o tipo de pessoa mais negativa, confesso. Era uma luta conseguir tirar algo de bom de uma situação ruim ou conseguir me sentir mais feliz durante dias aparentemente normais. Principalmente para quem tem ansiedade, pode ser um grande desafio, eu sei bem. Mas hoje trouxe 5 dicas que podem ajudar a mudar isso no seu dia a dia!




ANOTE COISAS BOAS QUE ACONTECERAM 

Separe um caderninho ou simplesmente anote no celular, no Word, onde quiser, todas as coisas boas que aconteceram no seu dia. Pode ter sido receber um elogio, ter conseguido terminar uma tarefa, ter passado um tempo com quem você ama. Também pode ter acontecido há tempos atrás. A ideia é você anotar e reviver aquela sensação boa toda vez que ler. Dessa forma você também ajuda a guardar melhor os acontecimentos felizes e ignorar as coisas ruins. 

TRANSMITA A POSITIVIDADE

Ser gentil, fazer elogios (genuinamente, não de forma forçada), espalhar coisas boas para o mundo em geral, fazem com que a gente se sinta mais positivo e consiga ver a vida de forma mais leve e feliz. Experimente ajudar alguém, elogiar algo que você gosta na pessoa ou simplesmente falar "eu te amo". Faz um bem danado para o outro e para a gente. Sabe aquela coisa de você receber de volta o que oferece ao universo? É bem por aí. 

MANTENHA UM DIÁRIO DE GRATIDÃO

Já falei sobre isso nesse post aqui. Quanto mais a gente enxerga gratidão e alegria mesmo que seja nas pequenas coisas, mais a gente fica feliz e positivo sobre a nossa vida. Na verdade não precisa escrever e manter um diário real, se não quiser. Você pode falar alto, mentalmente, anotar no computador, enfim. Você também pode demonstrar gratidão pelas pessoas que ama, deixando que elas saibam o quanto você é grato pela existência delas (eu costumo falar isso pro Jão haha). 

FAÇA MAIS O QUE TE DEIXA FELIZ

Escutar músicas animadas por exemplo, me deixa mais positiva, me sinto mais criativa, parece que a vida fica menos entediante e nem preciso sair de casa. Também gosto de ir pra praia ou algum lugar que eu me sinta próxima da natureza, ficar com o João, assistir séries, mexer no Pinterest, sair com amigos. Tudo que te faz feliz e desperta boas sensações, deve ser feito quando possível. Não deixe a rotina ou a desmotivação te tirarem daquilo que você ama fazer. Apenas faça! 

SORRIA

Parece bobo, mas prometo que funciona. Quando a gente fica de cara fechada, reclamando de tudo, parece que as coisas negativas chegam até nós de forma muito mais fácil, além de parecermos antipáticos e mal humorados. Se você interage com as pessoas e com o mundo de forma aberta, sendo gentil e com um sorriso sincero, é praticamente um escudo contra a negatividade! Já repararam como a gente fica feliz quando uma criança sorri pra gente? Ou como a gente acaba sorrindo quando alguém sorri na nossa direção? :D

-

Essas são algumas coisas que eu faço para que meus dias sejam mais good vibes. O que vocês fazem? Um beijo!

BUSCANDO O AUTOCONHECIMENTO

Olá meus queridos e queridas, Jão falando aqui e hoje eu venho trazer para vocês uma experiência muito legal que eu tive a oportunidade de vivenciar há algumas semanas. Se trata de um curso que eu super recomendo a todos que estiverem buscando se desenvolver mais, pois acredito que ele nos ajude a dar o primeiro passo em direção à nossa melhoria: o curso de Autoconhecimento do Na Prática.

Alguém aqui consegue dizer que realmente se conhece bem? Eu sei que quando fui fazer o curso eu não conhecia. Na verdade, ainda não sei dizer se me conheço totalmente, principalmente porque estou numa fase de muitas mudanças que me fazem refletir muito sobre minhas ações. Mas se tem uma coisa que aprendi, é que o autoconhecimento é um processo contínuo. Podemos examinar nosso passado e tirarmos algumas conclusões, mas o futuro sempre será uma incógnita. E isso pode ser muito bom!

Esse vai ser o primeiro post de uma série que pretendo fazer sobre alguns tópicos que realmente chamaram minha atenção. Fiquem à vontade para fazer perguntas e sugestões, a interação sempre é bem-vinda =). Mas sem mais demoras, aqui vão algumas dicas para quem quiser conhecer um pouco mais sobre si mesmo.

Reviva suas memórias marcantes

Nossas memórias dizem muito a nosso respeito, e relembrar elas podem revelar coisas que nós mesmos nunca percebemos.

Quais são os momentos de suas vidas que vocês se lembram mais vividamente? Ou ainda, qual é a primeira memória que vocês têm? Uma dica para facilitar aqui é criar uma linha do tempo pessoal. Tentem pensar em cada ano de suas vidas quais foram os fatos mais marcantes. Não é preciso parar para analisar nada aqui ainda, é só listar mesmo.

Depois de listado vem a hora da reflexão. Dessas memórias, quais são as, de fato, mais marcantes? Pensem nelas, examinem suas sensações e revivam cada momento da forma mais vívida possível. Marquem todas essas memórias que vocês têm, tanto na vida pessoal quanto profissional e reflitam: existe algum padrão de comportamento nessas memórias?

Pode parecer uma coisa boba, mas muitas vezes nós percebemos coisas que nos atraem e repelem e que nunca paramos para prestar atenção. Uma experiência particularmente confusa que eu tive aqui foi o fato de eu ter percebido que adoro viajar para conhecer lugares novos, mas sempre tive vergonha de conhecer novas pessoas. Imaginem como foi conflitante para mim meu primeiro dia de faculdade, por exemplo. Um lugar totalmente novo e que eu achei maravilhoso (alguém daqui já conheceu Viçosa? Hahahah), mas ao mesmo tempo me deixou muito inseguro ao chegar no meio de tanta gente nova que mal se conhecia. Mas isso faz parte, e ter conhecimento do que me atrai e repele me ajuda a focar no importante e buscar formas de contornar minhas fraquezas quando preciso. E acho que isso é uma grande vantagem de conhecer a si mesmo. Então reflitam sobre essas experiências e pensem: o que os padrões em suas memórias revelam sobre vocês mesmos?

Identifique as personagens relevantes

Agora que já pensaram em situações marcantes, reflitam sobre os personagens presentes nesses momentos. Pode ser mãe, pai, irmãos, amigos, colegas, talvez até estranhos ou mesmo uma instituição.

Qual foi a influência desses personagens na sua própria personalidade? Acho que o caso mais fácil de visualizar aqui é o dos pais. Nossos pais nos guiam desde nossos primeiros momentos, e seria ingenuidade achar que eles não são responsáveis, ao menos em parte, por moldar nossa personalidade.

Mas os exemplos podem ir além disso. Que outros parentes, conhecidos ou mesmo estranhos ficaram marcados em suas memórias e por que? Foi por causa de uma atitude que vocês concordaram? Uma que discordaram? Essa personagem é um exemplo ou anti-exemplo? Na verdade, acho que até um certo ponto isso pode ser um pouco subjetivo. Um exemplo que leva alguém a tomar uma certa atitude pode levar outra pessoa a fazer o oposto. Sempre que penso a respeito disso me vem à mente um caso que li no livro “Desperte o Gigante Interior” de Tonny Robbins. Ele conta a história de dois irmãos, filhos de um pai abusivo. Um irmão se tornou tão abusivo quanto o pai, enquanto o outro seguiu uma vida e carreira de sucessos. Quando perguntados sobre como chegaram àquele ponto em suas vidas, ambos responderam: “Como poderia ser diferente, com um pai daqueles?”. De qualquer forma, cabe aqui uma reflexão sobre a influência de cada personagem, e se ela levou vocês a um caminho que vocês concordem.

Interajam!

Falando desse jeito, até parece que autoconhecimento se trata só de introspecção isolada. Vamos nos fechar em um casulo e pensar sobre toda nossa vida.

Nada disso.

Muitas vezes, coisas que não são evidentes a nós mesmos são extremamente óbvias a outras pessoas. Então nada mais justo do que perguntar a elas suas opiniões, certo?

Tentem perguntar a pais, amigos, namorados(as) ou quaisquer pessoas que convivam com vocês, tanto em ambientes de trabalho quanto pessoal. O que elas têm a dizer sobre você? Qual a primeira coisa que vêm à mente delas quando pensam em vocês? O que elas veem como seus pontos fracos e fortes? De todas essas coisas, o que vocês ouviram que já sabiam e o que não sabiam?

Ter a coragem de tentar entender como somos enxergados não é fácil. E é mais difícil ainda aceitar as críticas. Mas nos abrirmos a isso tudo pode ser uma experiência transformadora. É um ponto em que nos mostramos vulneráveis e abertos. O importante aqui é entender que essa vulnerabilidade não é fraqueza, mas algo a ser aceito (quem tiver interesse, a Fê falou aqui sobre um livro que trata muito bem essa temática).

Ao final disso tudo, como vocês enxergam a si mesmos? Da mesma forma de antes? Quase igual, mas com um diferencial a mais? Totalmente diferente? Se vocês precisassem contar toda sua história em um minuto, vocês conseguiriam?

Todos nós temos algum grau de autoconhecimento dentro de nós. O que importa é o quanto estamos interessados em aprofundar isso e entendermos que o processo é contínuo. Estamos sempre vivenciando novas experiências, interagindo com novas personagens, influenciando e sendo influenciados. Por isso, um pouco de reflexão ao longo do caminho pode fazer toda a diferença.




E aí pessoal, o que acharam? Postem aí nos comentários suas experiências, em breve passo aqui com mais um post relacionado ao tema. E fica a dica: a Fundação Estudar está sempre abrindo vagas para as turmas de Autoconhecimento em diversas cidades, e eles até possuem um módulo online. Eu pessoalmente recomendo o módulo presencial, por causa de toda a interação e troca de experiências, mas é sempre bom usar todas as ferramentas que temos ao nosso alcance. Então fico por aqui, até a próxima!


o
TOPO